Palestra sobre crack - Francisco Inácio Bastos

por
Graça Portela
,
16/04/2013

O primeiro a falar foi o pesquisador do Icict Francisco Inácio Bastos, que coordena a pesquisa nacional sobre uso do crack, da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), do Ministério da Justiça.

Seu primeiro questionamento foi sobre o pensamento corrente que, segundo ele, ao se falar em tratamento do usuário de drogas associa-se à perda de recursos públicos. "Por que não criminalizar também os hipertensos ou os diabéticos?”, ironizou. Bastos alertou para a necessidade de se reintegrar o crack à discussão da saúde. "Sem isso, corremos o risco de perder a capacidade de lidarmos com a droga até do ponto de vista do tratamento e das políticas públicas.”

"Quando se fala de cracolândia, tem-se a ideia de um fenômeno macrourbano. Isto não é real”, explicou Francisco Inácio, que apresentou um panorama geral sobre o cenário do crack nas grandes cidades. A própria mobilidade das cracolândias explicaria esse fenômeno: “As cenas se redefinem, se reconfiguram e se partem. Então, a pessoa que estava ontem no Jacarezinho é a mesma pessoa que encontramos no (morro do) Cajueiro, em Madureira, ou que vai para a (comunidade de) Antares (em Santa Cruz), ou que estará no Parque União”, afirmou.

O pesquisador do Icict alertou para uma concepção confusa e negativa que dominou, inicialmente, o cenário do crack nos Estados Unidos nos anos 1990, quando surgiu a droga por lá. Trata-se da situação dos chamados crack babies – filhos das usuárias de crack, cujo tratamento ignorava doenças maternas preexistentes, como desnutrição, tuberculose, abuso de álcool, e ausência de pré-natal.

Para Francisco Inácio, o crack tem impacto na formação dessa criança, mas é preciso incluir outros fatores, que correm o risco de ser deixados de lado hoje no Brasil. "Temos que pensar de forma sensata, seja no campo da saúde mental, seja na área de assistência materno-infantil”, concluiu.

Comentar

Assuntos relacionados

Minicursos são destaque nas comemorações de abril do Icict

Em comemoração aos 20 anos do lançamento do primeiro curso de atualização realizou uma séria de cursos

Palestra sobre crack - Paulo Amarante

Um dos pioneiros no movimento brasileiro da reforma psiquiátrica no Brasil, pesquisador abordou a questão da saúde mental no país e as drogas

Palestra sobre crack - Caco Barcellos

O jornalista falou sobre injustiça social, violência e o consumo do craque

Palestra sobre crack - Marcelo Rasga Moreira

Marcelo falou sobre o trabalho dos pesquisadores e a divulgação do resultado das pesquisas pela mídia

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)
Av. Brasil, 4.365 - Pavilhão Haity Moussatché - Manguinhos, Rio de Janeiro
CEP: 21040-900 | Tel.: (+55 21) 3865-3131 | Fax.: (+55 21) 2270-2668

Este site é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.