‘O Massacre de Manguinhos’: livro sobre perseguição da ditadura à ciência ganha nova edição

por
Assessoria de Comunicação do Icict/Fiocruz
,
23/05/2019

O golpe militar de 1964 inaugurou um período de perdas incalculáveis para a ciência nacional. Na Fiocruz — que, na época, chamava-se Instituto Oswaldo Cruz (IOC) —, os anos de chumbo causaram a interrupção de inúmeras pesquisas, o aniquilamento de laboratórios, prejuízos irrecuperáveis em coleções biológicas, a suspensão de colaborações com outros centros de pesquisa. E houve, também, a perseguição a cientistas. Com a imposição de um diretor designado pelo próprio regime e a presença constante de militares no campus, os pesquisadores passaram a ter suas atividades controladas e suas verbas de pesquisa cortadas. Muitos deles foram arrolados em inquéritos, sob o pretexto de se apurar atos de subversão e corrupção.


Os cientistas cassados (Foto: Acervo Fiocruz)

No dia 1º de abril de 1970, sem que absolutamente nada fosse provado contra eles, dez cientistas da instituição foram cassados pela ditadura militar, com base no AI-5. Tiveram seus direitos políticos suspensos e foram impedidos de trabalhar no IOC e em outras instituições federais. O episódio ficou conhecido como Massacre de Manguinhos. Herman Lent, referência mundial no estudo de besouros, o inseto transmissor da doença de Chagas, foi um dos cientistas cassados. Anos depois, registrou num livro, de forma clara e objetiva, os inquéritos, as indagações, punições, circulares, restrições, pressões e transferências, que causaram enorme prejuízo à ciência. Mas, também, a mobilização e a resistência dos cientistas, que enfrentaram as agressões insistindo na criação de um Ministério para a Ciência. O Massacre de Manguinhos, publicado em 1978 pela Avenir Editora, logo tornou-se referência para os estudos sobre o impacto da ditadura militar na atividade científica realizada no Brasil. A capa, criada por ninguém menos que o arquiteto Oscar Niemeyer, exibia a ilustração do Castelo Mourisco, símbolo mais marcante da Fiocruz, com uma de suas torres desmoronando.

Esgotada há vários anos, a obra agora vem a lume novamente numa edição ampliada, com textos de pesquisadores que contextualizam o caráter histórico do episódio, e fotos e reproduções de jornais da época, num trabalho capitaneado pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/Fiocruz). A nova edição de O Massacre de Manguinhos vai ser lançada na próxima terça-feira (28/5), às 9h, no Auditório do Museu da Vida, no campus Fiocruz. Haverá uma roda de conversa com o tema “Ciência e Democracia”, com os pesquisadores que colaboraram nesta reedição: Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz e autora do prefácio, Wanda Hamilton, pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), e Renato Cordeiro, cientista do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que assinam os posfácios. Além deles, integram o debate Roberto Lent, pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ e filho de Herman Lent, e Rodrigo Murtinho, diretor do Icict e responsável pela reedição do livro.

Acesso aberto

O Massacre de Manguinhos é o primeiro livro a ser lançado pela coleção Memória Viva, que busca tornar acessíveis ao público obras de grande relevância acadêmica, mas que se encontravam esgotadas. Tanto o livro de Lent quanto os próximos lançamentos estarão em acesso aberto, ou seja, disponíveis em versão digital. “A ideia de criar a coleção surgiu durante minha pesquisa de doutorado, quando eu próprio encontrei dificuldades para ter acesso a algumas obras. Há vários livros importantes para a memória e o debate de temas caros ao país que estão se perdendo em fundos de catálogo”, narra Murtinho, idealizador da Memória Viva. Nos próximos meses, serão recuperadas obras como Sob a verdade oficial: Ideologia, propaganda e censura no Estado Novo, de Silvana Goulart, Saúde: promessas e limites da Constituição, de Eleutério Rodriguez Neto, e A medicina e a realidade brasileira, de Carlos Gentile de Mello. 


Ilustração de Oscar Niemeyer para a edição original (Reprodução)

O relato de Lent foi escolhido para abrir a coleção porque é um testemunho muito representativo sobre um período ainda repleto de lacunas na História nacional. “Lançar luz a esse episódio é importante porque, infelizmente, o Brasil não é um país que tem como prioridade rever a sua história e lamber as feridas de um período tão sombrio, ao contrário do que ocorre em outros países latino-americanos. Resgatar esse tipo de memória abre a possibilidade de não viver, de novo, o horror que representa”, justifica Murtinho, revelando que conheceu o livro de Lent apenas em 2014, quando foi citado na aula inaugural da Fiocruz, cujo tema foi a Comissão da Verdade da Reforma Sanitária.

Como enfatiza Nísia Trindade, no prefácio, o livro incita “a colocar em pauta as ilusões que, com frequência, promovem a separação entre ciência e política”. É, pois, “um convite à preservação da memória dos cientistas vitimados pelo autoritarismo e também à defesa dos valores e da prática democrática para o desenvolvimento pleno da atividade científica e intelectual”.

Vídeo restaurado

Durante o lançamento do livro, na terça, também será exibido o trailer do vídeo O Massacre de Manguinhos, de Lauro Escorel Filho, que acaba de ser restaurado pela VideoSaúde Distribuidora da Fiocruz, vinculada ao Icict, num trabalho do técnico em audiovisual Leonardo Machado Azevedo. O filme reproduz trechos da cerimônia de reintegração dos cientistas cassados, em agosto de 1986. Nas escadarias do Castelo Mourisco reuniram-se alguns dos mais prestigiados cientistas do Brasil, funcionários da Fiocruz e personalidades como o político Ulysses Guimarães e o ator Grande Otelo, celebrando não apenas o retorno dos pesquisadores, mas também a restauração da democracia. 

O vídeo apresenta na íntegra o discurso do sanitarista Sergio Arouca, então presidente da Fiocruz, e uma das figuras mais importantes da Reforma Sanitária que deu origem ao SUS. “Por que esse ódio do pensamento autoritário ao pensamento livre?”, indaga ele à plateia, numa crítica contundente aos ataques da ditadura militar às universidades e aos pesquisadores do país. Arouca identifica, em meio ao conjunto dessas ações, “um ódio à ciência”. E prossegue: “Mas talvez esse simples ato de criar conhecimento, de pesquisar, se torne, mesmo na sua dimensão mais simples, um pensamento subversivo. A subversão da ordem autoritária começa a se dar no instante em que os 'subversivos' exibem sua competência. No gesto de solidariedade das universidades. No gesto da solidariedade internacional. Na ética e na dignidade mantida por esses pesquisadores. Nos encontros solidários dos perseguidos. E no permanente e contínuo perguntar-se sobre o universo. No ensinar, apesar de tudo. Na manutenção, a qualquer preço, da dignidade. O maior inimigo do pensamento autoritário é o pensamento livre. Porque, ao ser livre, ele se torna libertário. Quis a história que a reintegração se fizesse em agosto, quando comemoramos o Dia Nacional da Saúde, no aniversário de Oswaldo Cruz. Quis também em agosto que fosse decretado o Ato Institucional. E nós queremos que esse dia 15 represente simbolicamente para a ciência brasileira um 'nunca mais'. E um alerta."

119 anos da Fiocruz

O lançamento da nova edição de O Massacre de Manguinhos integra as comemorações pelos 119 anos da Fiocruz, que ocorrem entre os dias 27 e 31/5. Além da recuperação do livro e da versão restaurada do filme, várias outras iniciativas têm como foco a preservação da memória institucional — que é, afinal, parte fundamental da memória científica do Brasil. É o caso, por exemplo, da apresentação do tour virtual ao Castelo Mourisco, que ocorre na sexta-feira (31), às 9h.

A coleção Memória Viva é fruto do projeto “Acesso aberto e uso da literatura científica no ensino”, desenvolvido no Icict, onde as políticas de acesso aberto têm sido encaradas como estratégicas para o fortalecimento da ciência e da saúde pública. Recebeu apoio do Programa de Apoio à Pesquisa Estratégica em Saúde (Papes VII/Jovem Cientista, parceria Fiocruz/CNPq), e do Programa de Indução à Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (PIPDT, do Icict/Fiocruz). Além da versão digital, disponível no Repositório Institucional da Fiocruz, o Arca, terá uma tiragem de exemplares impressos, que será distribuída em instituições públicas. O projeto teve apoio ainda da Editora Fiocruz, da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Tenha acesso ao livro, no Arca.

Veja a programação completa dos 119 anos da Fiocruz.

Comentários

Sou moradora do território de Manguinhos e bolsista/pesquisa , gostaria muito de enriquecer meu saber sobre essa tão conceituada Instituição e o importante papel que desempenha no campo saúde e social do nosso pais e no mundo. Gostaria de receber um exemplar.

Oi Elenice, boa tarde. Muito obrigada pelo interesse e pela consideração com o trabalho da Fiocruz. Infelizmente, não temos mais exemplares disponíveis. Mas há uma cota reservada à distribuição em instituições públicas, e acreditamos que é fundamental ter exemplares disponíveis em espaços públicos de Manguinhos. Peço que entre em contato conosco por e-mail, para que possamos indicar em qual acervo do território você poderá ter acesso ao livro: edicoeslivres@icict.fiocruz.br. Att

Ótimo dia! Gostaria de receber o livro digital em meu e-mail. Desde já agradeço pela atenção dispensada. Att, Nailson Santos

Oi Nailson, boa tarde. Você pode acessar o livro no Arca, no link https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/33216. Obrigada pelo interesse. Att

A memória da história é uma arma da experiência poderosa no aprendizado traumático para não se repetir e para se preparar !.

Bom dia venho aqui em nome do Centro de Informação e Documentação (CID) do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS/RS) da Secretaria Estadual da Saúde do RS, solicitar um exemplar impresso do livro O Massacre de Manguinhos para fazer parte do acervo do CID que tbm possui em sua estrutura um acervo de livros impressos. Agradeço desde já a atenção. Geisa Costa Meirelles Bibliotecária/Sanitarista

Oi Geisa. Muito obrigada pelo contato. Tivemos apenas uma primeira tiragem limitada do livro em sua versão física, que já está esgotada. Mas, diante do interesse, estamos analisando a possibilidade de fazer nova tiragem. Quando isso acontecer, enviaremos um exemplar. Por ora, os leitores podem ter acesso à versão digital: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/33216. Att

Foto histórica! De braços cruzados, meu saudoso professor de Entomologia: Hugo de Souza Lopes, um grande mestre com muitas histórias. Aulas inesquecíveis

Muito oportuno no cenário recente.

Bom dia. Quero acompanhar e ser informada dos fatos que estão acontecendo.

Páginas

Comentar

Preencha caso queira receber a resposta por e-mail.

Vídeo em destaque

Para saber mais

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)
Av. Brasil, 4.365 - Pavilhão Haity Moussatché - Manguinhos, Rio de Janeiro
CEP: 21040-900 | Tel.: (+55 21) 3865-3131 | Fax.: (+55 21) 2270-2668

Este site é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.

logo todo somos SUS