Comunicação e saúde em pauta no Abrascão

por
Assessoria de Comunicação do Icict/Fiocruz
,
23/11/2022

A pandemia de covid-19 deu ainda mais ênfase à importância da comunicação para a saúde. Por outro lado, também acentuou desafios antigos e trouxe novos tons às lutas históricas que reivindicam o direito à comunicação como essencial para o direito à saúde. Lançar luz a esses desafios e lutas foi a linha central da mesa "Direito à Comunicação e Saúde: Desafios Contemporâneos", que ocorreu na manhã desta quarta (23), durante o 13 Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão), em Salvador.

Crédito da imagem: Luiz Fernando Stevanim ao microfone, entre Nadja de Souza Araujo e Inesita Soares de Araujo | Foto: Daniela Muzi (VideoSaúde)

"Num contexto em que, em plena crise sanitária, mensagens de aplicativos estimularam a população a não se vacinar, é inegável o quanto a comunicação tem papel central na saúde", pontuou o jornalista e pesquisador Luiz Felipe Stevanim, editor da Revista Radis (Fiocruz). "Mas como a saúde pode abarcar o direito à comunicação? É fundamental que nós, profissionais e pesquisadores do campo da saúde, nos apropriemos da ideia do direito de comunicação como inalienável. Um direito estruturante para a saúde e para o SUS, pois base para o exercício da cidadania e para a garantia de outros direitos."

Stevanim chamou atenção para o fato de que, porém, este é um direito em disputa, tensionado pelas contradições e desigualdades do capitalismo e confrontado pelas heranças do autoritarismo. Dimensões como diversidade, equidade e justiça social, por exemplo, sofrem o impacto de desafios renovados. "Nem todo mundo tem celular com acesso à internet. Dentre os que têm, é preciso refletir: que tipo de planos de dados possuem? Têm acesso pleno à rede ou apenas a aplicativos de mensagens e redes sociais, o que faz com que recebam informação de forma limitada? A exclusão digital se retroalimenta com exclusão social."

Crédito da imagem: Inesita Soares de Araujo, ao microfone, ao lado de Nadja de Souza Araujo | Foto: André  Bezerra (Ascom/Icict)

Inesita Soares de Araujo, pesquisadora e professora do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), da Fiocruz, também abordou o quanto o direito à comunicação e saúde está desigualmente distribuído. "A pandemia, que colocou a comunicação no olho do furacão, fortaleceu ainda mais os traços hegemônicos que acentuam desigualdades. Acirrou ideias limitadas de saúde, ancoradas na visão biomédica e individualizada, e práticas autoritárias e verticalizadas de comunicação".

"É preciso, mais do que nunca, desconstruir nas instituições que cuidam da saúde a concepção arraigada de que sua missão é meramente facilitar o acesso das pessoas à fala institucional, sem levar em conta que a comunicação é um processo social", prosseguiu Inesita. Ela defendeu, com isso, a importância de instaurar novos modos de fazer comunicação, "desnaturalizando" práticas cotidianas e perseguindo novos prismas na busca por comunicar de gestores, assessores de imprensa e profissionais da área. 

Comentar

Preencha caso queira receber a resposta por e-mail.

Assuntos relacionados

Abrascão 2022: Icict, Idec e Intervozes apresentam pesquisa sobre proteção de dados em saúde digital

O resumo executivo da pesquisa será apresentado nesta quinta-feira (24/11), sob a coordenação de Rodrigo Murtinho, diretor do Icict

Abrascão 2022: Primeiro dia tem atividades sobre tecnologias digitais e o SUS

Mesa-redonda contou com Sergio Amadeu, da UFABC. Pesquisadores do Icict apresentaram sessões científicas e participaram de debates

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)
Av. Brasil, 4.365 - Pavilhão Haity Moussatché - Manguinhos, Rio de Janeiro
CEP: 21040-900 | Tel.: (+55 21) 3865-3131 | Fax.: (+55 21) 2270-2668

Este site é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.

logo todo somos SUS