Relação entre jornalistas e fontes é tema de defesa de doutorado do PPGICS

por
Graça Portela
,
11/10/2017

Analisar a relação entre os jornalistas e as fontes sobre o tema “Saúde”, entre os anos de 1987 e 2015, no jornal O Globo, foi o que motivou a tese de doutorado de Tania Regina Neves da Silva, que é orientanda da professora e pesquisadora Kátia Lerner (Laces e PPGICS/Icict).

A aluna destaca, como uma das suas conclusões de pesquisa, “a reconfiguração de forças no cenário midiático tem levado os jornalistas a perderem a primazia discursiva para as fontes, que passam a dominar linguagem, rituais e dispositivos e a falar diretamente com o público.”

A defesa será realizada na terça-feira, 17/10, na sala 710, do Prédio da Expansão do Campus, que fica na Av. Brasil, 4.036, em Manguinhos, Rio de Janeiro (RJ).

Defesa de Tese de Doutorado

Título: Jornalistas e Fontes: uma relação em movimento - temas, vozes e silêncios na saúde de O Globo (1987-2015)

Aluna: Tania Regina Neves da Silva

Orientadora: Kátia Lerner (PPGICS/ICICT/FIOCRUZ)

Banca:

Titulares:
•    Dr. Valdir de Castro Oliveira (PPGICS/ICICT/FIOCRUZ)
•    Dr. Wilson Couto Borges (PPGICS/ICICT/FIOCRUZ)
•    Drª. Luisa Medeiros Massarani (COC/FIOCRUZ)
•    Dr. Wedencley Aves Santana (PPGCOM/UFJF)

Suplentes:
•    Dr. Nilson Alves de Moraes (PPGICS/ICICT/FIOCRUZ)
•    Drª. Carla da Silva Almeida (COC/FIOCRUZ)

Data: 17/10/2017

Horário: 11h

Local: Sala 710 do Prédio da Expansão

Resumo: A presente tese investiga o processo de constituição das fontes de informação em saúde no jornalismo impresso, buscando compreendê-lo a partir da análise do relacionamento entre fontes e jornalistas e as estratégias por eles empregadas na construção dos sentidos da saúde na mídia. Trata-se de um estudo diacrônico sobre o jornal carioca O Globo, cobrindo um período de 28 anos nas últimas quatro décadas (1987-2015), e que parte de um levantamento dos temas abordados e das fontes presentes na cobertura de saúde em quatro períodos intercalados dentro do recorte. Tais dados orientaram a segunda etapa da pesquisa, que empregou a história oral em entrevistas temáticas com jornalistas ainda atuantes ou que atuaram em O Globo no período estudado, fontes que pontificaram na cobertura e assessores de imprensa, totalizando 15 entrevistados. O estudo é norteado especialmente pelos conceitos de campo (através da obra de Pierre Bourdieu), medicalização e biomedicalização (seguindo a linha proposta por Peter Conrad, Irving Zola e Adele Clarke) e midiatização (em especial pelo trabalho de Fausto Neto), a partir dos quais se buscou compreender as transformações nas relações entre os atores envolvidos na construção dos discursos sobre a saúde e a própria variação na abordagem dessa temática ao longo do tempo. Ao relacionar os elementos trazidos pelos depoimentos com o panorama de mudanças nos processos produtivos da mídia e as marcas presentes no noticiário, a pesquisa constatou que a relação fonte-jornalista se constrói em base de colaboração mútua, mas não pacífica, sendo marcada por conflitos e desconfianças. Entre os principais achados, destacamos que a reconfiguração de forças no cenário midiático tem levado os jornalistas a perderem a primazia discursiva para as fontes, que passam a dominar linguagem, rituais e dispositivos e a falar diretamente com o público. Destacamos ainda que a multiplicidade de funções hoje sob responsabilidade do repórter, diante da precarização do trabalho nas redações, tira dele tempo e condições para pesquisar os temas que cobre e descobrir novas fontes de informação, ficando mais vulnerável às ações e proposições das assessorias de imprensa, que passam a ter maior influência no agendamento de fontes e assuntos. Em suma, detectamos transformações nos campos de atuação de jornalistas e fontes que têm levado a mobilidades de seus papeis com consequentes reflexos na construção dos sentidos da saúde na mídia.
 

 

Comentar

Preencha caso queira receber a resposta por e-mail.

Para saber mais

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)
Av. Brasil, 4.365 - Pavilhão Haity Moussatché - Manguinhos, Rio de Janeiro
CEP: 21040-900 | Tel.: (+55 21) 3865-3131 | Fax.: (+55 21) 2270-2668

Este site é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.