Tese do PPGICS ganha menção honrosa em premiação da Capes

por
Graça Portela & Leonardo Azevedo (CCS/Fiocruz)
,
11/10/2017

A tese de doutorado "Fazer o bem sem ver a quem? Visibilidades e invisibilidades discursivas na doação de medicamentos para doenças negligenciadas", de Raquel Aguiar, orientada por Inesita Soares de Araujo, do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS)/Icict foi uma das três teses da Fiocruz que receberam menção honrosa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), na terça-feira (10/10). A premiação é resultado do Prêmio Capes de Tese 2017 e a tese, defendida pela aluna em maio/2017, foi destaque na categoria Interdisciplinaridade.

O diretor do Icict, Rodrigo Murtinho, destacou o prestígio da premiação. Segundo ele, "é uma importante conquista para o nosso Programa de Pós-Graduação, o PPGICS, e confirma a avaliação positiva da Capes no último ciclo. O que demonstra que estamos trilhando um belo caminho", falou. Murtinho também parabenizou a aluna e a sua orientadora: "o esforço delas foi premiado e eu só tenho que aplaudi-las!".

Veja abaixo o seu resumo:

Responsáveis por afetar um sexto da população mundial, as doenças negligenciadas são marcadas por um ciclo vicioso em relação à pobreza. Resultantes de uma pluralidade de determinações sociais, têm como um dos principais protocolos de enfrentamento na atualidade, preconizado pela Organização Mundial da Saúde, as doações de medicamentos efetuadas por grandes empresas transnacionais. O Brasil é um dos destinatários destas doações de medicamentos.

Tendo o campo da Comunicação e Saúde como referência, investigamos a abordagem conferida ao tema no Brasil, a partir da análise dos discursos de dois enunciadores: as empresas farmacêuticas e o governo brasileiro. Escolhemos observar as seis doenças incluídas no “Plano Integrado de Ações Estratégicas de Eliminação da Hanseníase, Filariose, Esquistossomose e Oncocercose como Problema de Saúde Pública, Tracoma como Causa de Cegueira e Controle das Geohelmintíases: Plano de Ação 2011?2015 do Ministério da Saúde”. Entre as seis endemias incluídas no documento, o Brasil recebe doações destinadas a filariose, geohelmintíases, hanseníase e oncocercose. No que se refere às empresas, foram analisadas as versões brasileiras dos websites das farmacêuticas que efetuam doações globais de medicamentos para as seis doenças incluídas no Plano Integrado: Eisai, Glaxo Smith Kline, Merck & Co. Inc., Merck KGaA, Novartis e Pfizer. No que diz respeito aos enunciados do governo, foi analisado um conjunto de textos, incluindo o Plano Integrado, páginas institucionais do website do Ministério da Saúde, notícias publicadas entre 2008 e 2015 no website do Ministério da Saúde e informes técnicos e peças de comunicação relacionados às campanhas combinadas do Ministério da Saúde sobre hanseníase, geohelmintíases, esquistossomose e tracoma nas edições de 2013, 2014 e 2015. Foram adotados os preceitos de análise de discursos de Eliseo Verón e Milton Pinto, bem com o conceito de silêncio discursivo, de Eni Orlandi.

As análises apontam que predomina o silêncio sobre a doação de medicamentos para doenças negligenciadas nos enunciados produzidos e circulados pelo governo, o que é convergente em relação a uma política de fortalecimento da produção nacional de medicamentos. Já em relação às empresas farmacêuticas, observamos diferentes intensidades de visibilidade discursiva. Como um traço em comum, nos dois enunciadores foi observada forte valorização da abordagem das doenças via medicalização, em detrimento da abordagem por meio dos aspectos sociais. Considerando que a realidade é construída a partir dos discursos, as abordagens observadas nos dois enunciadores intensificam o negligenciamento relacionado às doenças na medida em que contribuem para a manutenção das condições sociais que são perpetuadoras dos agravos. Os resultados também sugerem repensar o conceito de biopoder, incorporando o componente privado na dinâmica “população–processos biológicos–mecanismos regulamentadores–Estado”.

Segundo matéria da Agência Fiocruz de Notícias, entre as selecionadas, estão as teses de Ana Cristina Santos Matos Rocha, do programa de História das Ciências e da Saúde, da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz); e a de Raphael Tavares da Silva, do programa de Biologia Computacional e Sistemas, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). As duas teses concorrem agora ao Grande Prêmio Capes. A cerimônia de entrega dos prêmios (melhor tese e as menções honrosas) ocorrerá no dia 7 de dezembro, em Brasília.  

Crédito da foto de Raquel Aguiar: Gutemberg Brito

Comentar

Preencha caso queira receber a resposta por e-mail.

Assuntos relacionados

Doação de medicamentos para doenças negligenciadas é tema de defesa

Defesa de doutorado ocorre na terça-feira (24/5), às 10h, e terá a presença do dr. João Carlos Freitas Arriscado Nunes, da Universidade de Coimbra (PT)

Para saber mais

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)
Av. Brasil, 4.365 - Pavilhão Haity Moussatché - Manguinhos, Rio de Janeiro
CEP: 21040-900 | Tel.: (+55 21) 3865-3131 | Fax.: (+55 21) 2270-2668

Este site é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.