Intoxicação por plantas medicinais será tema de cartilha

por
Rafael Vinicius
,
22/08/2008

Com o intuito de desenvolver uma cartilha para informar à população sobre a toxicidade e os perigos das plantas medicinais, o Sistema Nacional de Informação Tóxico-Farmacológica (Sinitox) da Fiocruz visitou o Mercadão de Madureira, onde coletou cerca de 20 amostras de plantas para avaliar o potencial tóxico desse material. A suspeita é que os mateiros (vendedores de plantas medicinais em feiras livres e mercados populares) comercializam o produto sem o profundo conhecimento dos efeitos do mesmo, chegando a prescrever receitas para seus clientes.

'O problema relacionado às plantas medicinais é algo recorrente no Brasil. A sociedade prefere usar as espécies para curar enfermidades pelo fato de serem naturais, mas esquecem que a parte química dos medicamentos é oriunda das plantas’, afirma Maria Aparecida, assistente do Sinitox. Para ela, além de problemas com a dosagem e o consumo, muitas vezes, os cuidados com relação ao plantio, como época certa de coleta, tipo de terra e local apropriado não são respeitados.

Paralelo a isso, o preparo das plantas não leva em consideração as peculiaridades de cada uma, como é o caso do boldo, que deveria ter a sua substância extraída através de pressão, e não com água quente. Com relação às espécies que foram coletadas para análise, destacam-se o Picão (hepatite), Babosa (estômago), Arnica (traumatismo ou escoriações), Tansagem (infecção no útero), Poejo (resfriado) e Guaco (anti-gripal).

O objetivo da pesquisa é promover, com a cartilha, a difusão da informação com relação à toxicidade e as doses certas a serem ingeridas, além de levar conhecimento sobre a função de cada planta. No projeto, haverá o detalhamento de mais de 50 plantas medicinais, que foram encontradas no mercado do subúrbio e, também, no Projeto Sementinha, em que algumas senhoras cultivam as plantas e prescrevem receitas para a comunidade da Maré.

A expectativa é que com a cartilha, casos de substâncias que são ingeridas, ao invés de serem usadas apenas externamente, como é o caso da arnica, podem diminuir de forma gradativa. A cartilha explicará as peculiaridades de cada planta com linguagem mais acessível e será distribuída gratuitamente pela Fiocruz no estado do Rio de Janeiro, mas irá, com o tempo, chegar aos outros estados brasileiros.

 

Comentários

Olá Eliane, por gentileza, entre em contato direto com o site do Sinitox, por intermédio do e-mail sinitox@icict.fiocruz.br e faça a sua solicitação. Um abraço, Assessoria de Comunicação do Icict/Fiocruz

Desejo receber essa cartilha de orientação no uso de plantas medicinais. O que devo fazer??? Grata, Eliane Barroso

Comentar

Preencha caso queira receber a resposta por e-mail.

Assuntos relacionados

Crianças ganham concurso com informações sobre plantas tóxicas

Projeto “Cuidado! Plantas tóxicas em nossos jardins”, da Escola Municipal Mário Covas Jr, de Duque de Caxias, foi apresentado na I FEMuCTI

Livro aponta risco de plantas tóxicas em ambientes escolares

Plantas podem causar desde leve intoxicação até a morte. Crianças com menos de 10 anos são as maiores vítimas

Sinitox alerta para perigos em jardins e praças públicas

A cada dez casos de intoxicação por plantas no Brasil, seis são de crianças menores de nove anos. Esse número serve como alerta para os pais, que devem ficar atentos a espécies como comigo-ninguém-pode, bico-de-papagaio e coroa-de-cristo, comuns em praças

Para saber mais

Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz)
Av. Brasil, 4.365 - Pavilhão Haity Moussatché - Manguinhos, Rio de Janeiro
CEP: 21040-900 | Tel.: (+55 21) 3865-3131 | Fax.: (+55 21) 2270-2668

Este site é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento, que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.

logo todo somos SUS